Dias das crianças no Paraguai: dolorosas lembranças de uma guerra

Comemorado de diferentes formas ao redor do mundo, o Dia das Crianças também tem significados distintos para as nações que celebram esta data. No Brasil, por exemplo, a data estipulada (dia 12 de outubro) pelo médico e político Galdino do Valle Filho tem tom de comemoração, mas para o vizinho Paraguai o contexto é de condolências e homenagens.

Durante a Guerra do Paraguai contra a Tríplice Aliança (Brasil, Uruguai e Argentina), após a população masculina do país ter sido praticamente dizimada, milhares de crianças foram enviadas para lutar com soldados inimigos. O evento mais emblemático desse fato ocorreu na Batalha de Acosta Ñu, em 16 de agosto de 1869, na qual cerca de 500 meninos foram massacrados pelas tropas aliadas, comandadas pelo Conde D’Eu. A data ficou conhecida historicamente como o maior infanticídio da América Latina – e é celebrada como Dia das Crianças, como homenagem aos “meninos mártires”.

A Batalha de Acosta Ñu, entre outros episódios marcantes do conflito que uniu três nações sul-americanas contra o Paraguai de Francisco Solano López, é o pano de fundo que levou o jornalista e escritor Paulo Stucchi a desenvolver a trama da obra “Menina”.

O livro descreve o tocante laço de amizade entre um soldado negro, ex-escravo e desertor do exército imperial brasileiro, e uma menina órfã guarani, durante uma sangrenta jornada de redenção e união. Ambos lutam para sobreviver e chegar a Assunção, capital do país, em segurança, enquanto são perseguidos por um grupo de homens sedentos por vingança.

A extensa pesquisa do jornalista sobre o assunto durou três anos, incluindo viagens ao interior do Paraguai e entrevistas com historiadores da país vizinho. Com versão física esgotada e, agora, lançamento e-book na Amazon, “Menina” leva aos leitores a emocionante narrativa de um dos contextos mais tristes da humanidade: a guerra, que atinge de modo indiscriminado inocentes, mata sonhos e destrói famílias.

Sinopse
Um soldado negro, desertor do exército imperial do Brasil, e uma menina guarani cruzam o território paraguaio rumo a Assunção. Ainda que em silêncio, cultivam uma amizade calcada naquilo que não pode (e não precisa) ser dito. O cenário é a Guerra do Paraguai, conflito que dizimou a população masculina paraguaia e que, até hoje, é alvo de vários estudos históricos e de geopolítica.

Ficha Técnica:


Título: Menina
Autor: Paulo Stucchi
Páginas: 287
Amazon: R$ 9,90
https://amzn.to/2mJbCJJ

Sobre o autor:


Paulo Stucchi é psicanalista e jornalista. Atuou como redator, jornalista responsável e editor em jornais impressos e revistas. Também foi professor e coordenador de curso de Comunicação. Atualmente, divide seu tempo entre o trabalho como assessor de imprensa e sua paixão pela Literatura, História e Psicanálise.

 

(Por LC – Agência de Comunicação. Fotos: Divulgação)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *