EntreasLetras – Nada de novo no ano novo

Por Donald Malschitzky*

       

Para onde levaram nosso sossego nesses dias? Quando me perguntavam como é viver em Barra Velha, sempre respondia que é ótimo, pois, além de ser praia, é bastante central, com acesso fácil a várias cidades, e, principalmente, apesar da condição de balneário, é bem sossegado, mesmo na alta temporada. Do dia 23 de dezembro para cá, vejo um mentiroso cada vez que me olho no espelho.

A amiga Raquel S Thiago desabafa: “São 2h45 do dia 1º de janeiro de 2019, completando 15 horas de som ensurdecedor.” Antes fosse ela a única, mas, apesar das placas e da legislação dizendo que é proibido, essa parece ser uma das principais diversões de um grupo grande de “veranistas” que precisariam revisar suas formas de expor suas necessidades sexuais.  E ninguém faz nada.

Existem lixeiras, mas a areia da praia, assim como as ruas e áreas verdes em locais como a ponte pênsil, são muito mais atrativas para simplesmente largar o lixo. Depois de desejarem “Feliz Ano Novo” e pularem umas ondinhas, parece que o desejo de mostrarem sua personalidade se acirrou. Alguns ainda acrescentam: “Se Deus quiser”.

Não sou apenas ingênuo, tem que ter algo que explique o grau de ingenuidade, pois, entre outras coisas, acredito que estacionamentos reservados devem ser respeitados. Nas ruas daqui, quem achar credenciais em mais de 10% dos carros estacionados em vagas especiais, melhor correr e comprar um bilhete da Trimania, pois sorte não se desperdiça.

Em estacionamentos de supermercados, se acontecer em mais de 5%, pena que a Mega Sena da Virada já passou, mas os prêmios da Mega Sena ainda são grandes. Tem mais: quem souber de um motorista multado por isso, pode pecar à vontade, pois o céu já está garantido.  Mas ninguém tem o direito de ficar escandalizado ao testemunhar jovem funcionária de supermercado retocando a maquiagem dentro do carro em vaga especial e sair toda serelepe para o trabalho: no final do expediente ela tira o carro.

Falando em supermercado: devolver o carrinho de compras a seu lugar provoca sífilis ou é só sem-vergonhice mesmo?

Perguntei se a cerveja estava bem gelada. Não estava. Finalmente veio a carne: fria e mal preparada. Compensou a cerveja quente. Não dei chance, mas certamente explicariam que o movimento estava alto e por isso atenderam mal.

Decididamente, 2019 não mudou coisa alguma, mas promete, pois agora já sabemos que menino veste azul e menina veste rosa.

 

*Escritor

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *