EntreasLetras – Uma parada para o retrocesso

Por Donald Malschitzky*

 

E não é que ele fez o que eu sempre quis fazer, mas faltavam coragem e equilíbrio? O pior é que não sei bem o que fazer com minha vergonha, agora, pois, ou tenho tão poucos eleitores que ninguém sabe ou são tão desligados que esqueceram o que escrevi. Vou ser condescendente comigo mesmo: faz bastante tempo e não tem como lembrar de tudo, mas já escrevi neste mesmo espaço que os motoristas que não respeitam a faixa de pedestres devem ir para São Bento ou Xanxerê para ver como se comportar.

De qualquer forma, na terça-feira, 8/1, Daguimar Nogueira lavou minha alma ao andar por cima do capô de um carro que fechara sua passagem na faixa de pedestres. Aplaudi, e ri bastante, mas, no fundo, deu um toque de tristeza: se um motorista fez isso em São Bento do Sul é porque mais o estão fazendo e isso é um retrocesso inconcebível. Deve ser parte do complô para provar que Darwin estava errado e que a evolução não existe.

Na primeira vez que assisti ao vídeo, tive a impressão de que o motorista arrancou antes de meu herói descer do outro lado. Achei que estava enganado, mas não estava, o pré-símio fez isso mesmo, podendo causar um acidente sério.  “Ah, mas ele deveria bater de leve no vidro do carro e avisar o motorista que ele estava parado na faixa”.

Verdade, poderia, aí o motorista certamente pediria desculpas, jurando que nunca mais faria uma coisa dessas. Falo por experiência, quer dizer, quem deveria falar seria minha mãe, mas como ela já não está mais aqui…, ainda bem que não pode ouvir, pois  já fiz isso muitas vezes e nunca entendi por que os berros de quem interpelei se referem à minha mãe, mas vá entender as pessoas. Às vezes a xingação vem acompanhada de uma sugestão do que fazer com determinada parte de meu corpo.

Também li alguém dizendo que então os carros deveriam passar por cima dos pedestres que atravessam a rua fora da faixa. Não deixa de fazer sentido, mas não faz, dada a fragilidade do ser humano frente a um veículo, embora uma campanha para educar pedestres seja muito bem-vinda, o que passa pela orientação à polícia e aos guardas de trânsito no sentido de que chamem a atenção dos pedestres infratores.

Os motoristas podem ajudar, por exemplo, não parando para pedestres que estejam perto de uma faixa e tentem atravessar a rua fora dela. Dá para fazer um  sinalzinho de: “Por ali, está bem?”. De qualquer forma, os motoristas respeitando a sinalização ajudam muito, pois induzem os pedestres a fazer mesmo, até porque fora dos veículos não estamos mais com nossa armadura.

 

*Escritor

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *