Outubro Rosa e a prevenção do câncer de mama

Por Gabriele Trevisan Anzolin*

 


O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em inúmeros países. O nome remete à cor do laço rosa, que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, com forte adesão de organismos públicos, empresas e entidades.

Esse movimento começou nos Estados Unidos por volta de 1990 e difundiu-se rapidamente. Hoje, o Outubro Rosa estimula a promoção da saúde da mulher de forma bonita, elegante e feminina, motivando e unindo diversos povos em torno de tão nobre causa.

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação de células anormais da mama, que formam um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento rápido, outros são mais lentos. É o câncer mais comum entre as mulheres, no mundo como no Brasil: depois do câncer de pele não melanoma. O câncer de mama responde por cerca de 28% dos casos novos a cada ano.

Os fatores de risco são a idade (quatro em cada cinco casos de câncer de mama ocorrem em mulheres com mais de 50 anos), obesidade, sedentarismo, não ter amamentado, história familiar de câncer de ovário ou de mama, principalmente se o câncer no familiar ocorreu antes dos 50 anos de idade, entre outros.

Para as pacientes assintomáticas, o rastreio para o câncer de mama, conforme orientações do Instituto Nacional do Câncer e do Ministério da Saúde, indica que seja realizado a cada dois anos o exame de mamografia, em mulheres entre 50 e 69 anos. A realização de mamografia para rastreamento em mulheres abaixo ou acima dessa faixa etária ainda é discutida por algumas instituições nacionais e internacionais, porém, não é avalizada até o momento pelo Ministério da Saúde.

É importante salientar que, fora dessa faixa etária, qualquer mulher que possua sintomas mamários (dor, nódulos, secreção mamilar) deve procurar o seu ginecologista para realização de exame físico e exames complementares conforme necessário.

*Gabriele Trevisan Anzolin é ginecologista e obstetra do Hospital Dona Helena, de Joinville (SC)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *